in

O dia em que o Rio de Janeiro foi a capital de Portugal

O Portugal do Alfonso III

Após a excomunhão de seu irmão Sancho II e a subsequente guerra civil, Alfonso III ocupou o trono de Portugal em 1248. Pacificado o reino, o novo monarca concentrou as suas forças na conquista dos territórios do sul ocupados pelos muçulmanos.

Derrotados estes, começaram as disputas com a Castela de Alfonso X pela fronteira sul de ambos os reinos, que se estabeleceria no rio Guadiana com a assinatura do Tratado de Badajoz em 1267.

Rio de Janeiro capital de Portugal

Além disso, em 1255 a corte de Coimbra mudou-se para Lisboa , a cidade que, graças ao comércio marítimo, se tornou a maior e mais próspera de Portugal.

Alguns legalistas ainda consideram Coimbra como a capital oficial e Lisboa como capital não oficial, visto que a transferência foi feita na prática mas não existe nenhum documento, da época ou posterior, que a avalie. À parte esse detalhe legal, o Rio de Janeiro (Brasil) foi a capital de Portugal por 13 anos.

Passamos para o século XIX, especificamente para 27 de outubro de 1807 quando o tratado de Fontainebleau foi assinado entre Manuel Godoy, válido do rei de Espanha Carlos IV, e Napoleão I Bonaparte.

Segundo este tratado, as tropas francesas teriam permissão para cruzar o território espanhol para a invasão militar conjunta de Portugal, um aliado da Inglaterra.

Com as tropas espanholas penetrando pelo norte e pelo sul, os franceses se aproximando da capital e uma esquadra inglesa ancorou no porto de Lisboa com a ordem de escoltar a família real ao Brasil ou, caso se rendesse aos franceses, atacar e conquistar a cidade, em 29 de novembro de 1807, dois dias antes da entrada dos franceses em Lisboa, a família real portuguesa, chefiada pelo príncipe regente, o futuro D. João VI e outras quinze mil pessoas da corte de Bragança, dirigiam-se ao Brasil escoltadas pelos ingleses.

Assim que pisou em solo brasileiro, em 22 de janeiro de 1808, o Príncipe Regente assinou, por “recomendação” britânica, um Decreto Real que permitia o comércio nos portos do Brasil para “nações amigas” – na prática, para a Inglaterra. .

No dia 7 de março, a corte portuguesa e seus respectivos pertences pessoais (móveis, joias, arquivos, obras de arte, livros …) chegaram ao Rio de Janeiro, onde estavam os órgãos e instituições que governariam Portugal e seu império colonial por tempo indeterminado estabelecido.

Embora a população os recebesse com alegria e orgulho – pela primeira vez na história uma colônia se tornava a capital de um reino – a chegada da corte causou o caos naquela pequena população de não mais de 60.000 habitantes.

Embora o enclave fosse um lugar paradisíaco, não estava preparado para abastecer e acomodar tantos e tão ilustres visitantes, por isso os oficiais reais percorreram a cidade para escolher as casas mais adequadas, que seriam ocupadas pelos membros da corte, colocando-os a inscrição PR (Príncipe Regente) – os cariocas interpretaram maliciosamente como “Ponha-se na Rua”, Para a merda da rua-.

Superados os problemas habitacionais com as desapropriações iniciais e o posterior desenvolvimento urbano, a abertura dos portos resolveu os problemas de abastecimento, que aumentaram sua dependência dos ingleses ao transformá-los em fornecedores de alimentos, manufaturas …

Não só chegaram mercadorias nos portos também chegavam muitos imigrantes, principalmente ingleses, tornando o Rio de Janeiro a cidade mais cosmopolita de todo o continente. O Rio de Janeiro acreditava freneticamente em se adaptar ao seu novo status de capital de um império ultramarino.

Com a derrota de Napoleão, as potências europeias se reuniram em 1815 no Congresso de Viena para reorganizar o mapa político do velho continente.

Apesar de já não haver motivos para ficar lá, seja por conforto ou porque convinha à Inglaterra, o Príncipe Regente decidiu ficar no Rio de Janeiro e não regressar a Portugal.

Além disso, para silenciar os monarquistas mais fanáticos que criticavam o fato de a capital do império ser uma colônia, ele elevou o status do Brasil tornando-o um reino no mesmo nível de Portugal, e criou o Reino Unido de Portugal, Brasil e o Algarve.

Após a morte de sua mãe Maria I em março de 1816, o Príncipe, que estava na regência desde que a rainha foi declarada mentalmente incapaz, assumiu o trono tornando-se João VI Rei de Portugal e Brasil.

Mas uma coisa é a vontade real e outra é a de seus súditos.

Volta do Rei a Portugal

A distância da corte encorajou muitos liberais que causaram distúrbios em várias cidades portuguesas, chegando mesmo a apelar para que os Tribunais Gerais Constituintes constituíssem um governo pelas costas do rei.

Da mesma forma, no Brasil também as coisas não estavam calmas, as primeiras vozes começaram a ser ouvidas clamando pela independência do reino do Brasil.

Assim, D. João VI não teve outra escolha senão retornar a Portugal em 25 de abril de 1821, após ter permanecido no Rio de Janeiro por 13 anos, deixando seu filho Pedro como regente em seu nome.

No início da década de 1820, a maioria dos privilégios concedidos ao Brasil foi removida, tornando-o novamente uma colônia de fato. Foi um grande erro, porque além de indignar os brasileiros, deu argumentos aos nacionalistas que defendiam a independência.

E para piorar, encontraram no regente Pedro um oportuno aliado que não hesitou em liderar os independentistas. Em 7 de setembro de 1822, ele desembainhou a espada e gritou …

Independência ou morte! (Grito do Ipiranga).

Ele foi proclamado imperador em 12 de outubro e coroado como Pedro I do brasil em 1º de dezembro.

E aqui ficam duas versões: a que conta que Pedro agiu por sua própria conta e risco, e a que atribui esta coroação à recomendação do seu pai que, vendo as dificuldades por que passava a monarquia portuguesa e as potencialidades do Brasil que mais cedo ou mais tarde ele se tornaria independente.

Ele o aconselhou a antecipar e tomar as rédeas antes que outros o fizessem. De um ou de outro, o que fica claro é que, inadvertidamente, D. João VI contribuiu para a independência do Brasil ao criar suas próprias instituições de autogoverno, estabelecendo o livre comércio nos portos que gerou um crescimento econômico sem precedentes que atraiu muitos europeus, dotando o território de serviços e infraestruturas até então inimagináveis ​​e fazendo do Rio de Janeiro a capital cultural do continente americano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Flamingo

Por que os flamingos são rosa

Sangue

Quanto sangue há em seu corpo