in

Como desenvolver o seu carisma e tornar-se mais simpático

Como desenvolver o seu carisma e tornar-se mais simpático

Uma dessas coisas com que as pessoas pensam que nasce é o carisma, mas não é necessariamente esse o caso.

É inteiramente possível tornar-se mais simpático e fazer crescer o seu carisma, independentemente do seu tipo de personalidade.

O truque é reflectir sobre as qualidades que pode exercer e estender-se às suas próprias acções que o podem fazer parecer mais magnético, digno de confiança, e poderoso.

O carisma é uma coisa que se aprende

Se já conheceu alguém que lhe agrade, mas não consegue explicar claramente porque é que gosta deles, eles têm carisma.

Também pode aprender a ser persuasivo, e algumas melhorias nas suas acções são tudo o que é preciso. Em comparação com quem realmente és como humano, Carisma é sobre o que dizes e fazes.

Ao cultivares o teu carisma, o teu subconsciente, os teus sinais sociais, a tua aparência física e a forma como lidas com os outros, todos desempenham um papel.

A especialista em comportamento e autora Olivia Fox Cabane partilha uma história sobre Marilyn Monroe no vídeo acima.

Monroe levou uma fotógrafa com ela à Grand Central Station em Nova Iorque durante uma altura do dia muito ocupada.

Havia pessoas em todo o lado, mas ninguém parecia lembrar-se de um dos indivíduos mais famosos do mundo. Ela apanhou um comboio e viajou silenciosamente para a estação seguinte sem ver ninguém.

Monroe estava a tentar fazer uma discussão, explica Cabane:

O que Marilyn queria provar era que podia ser ou a glamorosa Miss Monroe ou a simples Norma Jean Baker (o seu verdadeiro nome) apenas por querer fazê-lo. Ela era Norma Jean no metro, mas quando ressurgiu nas ruas movimentadas de Nova Iorque, ela queria tornar-se Marilyn. Então ela olhou à sua volta e perguntou ao fotógrafo de forma provocadora: “Então, quer vê-la? Marilyn? Marilyn? E depois, disse ele, não havia grandes expressões, ela apenas amaciou o cabelo e chegou a uma pose. E no entanto, ela tornou-se inesperadamente magnética com este movimento fácil. Parecia uma aura de magia que se estremeceu e tudo parou.

Havia elegância do lado de Marilyn Monroe, sem dúvida, mas ela queria mostrar que o carisma é algo que se constrói e emana, não algo com que se nasce literalmente.

O seu objectivo aqui é encontrar Marilyn Monroe dentro da Norma de Jean Baker. Está lá, mas para a encontrar, tem de a operar.

No entanto, tenha em mente que precisa de ser um pouco corajoso. Desenvolver carisma é um método que envolve olhar ao microscópio para as coisas que se fazem. Talvez nem sempre se goste do que se vê, mas não se bata em cima dele.

Seria capaz de reconhecer os padrões que precisa de mudar se mantivesse os seus padrões sob controlo. Note que, ao afinar o seu contacto externo, não está a mudar quem é como pessoa, está apenas a mudar a forma como as pessoas o vêem.

Dominar a arte da presença

O elemento mais significativo do carisma é a “presença”, sendo a confiança quase um segundo. Presença é estar genuinamente associado a outros. Basicamente, está-se a dizer à outra pessoa que tem toda a sua atenção.

Pode parecer-lhe alguém reservado ou desinteressado pelos outros sem confiança, mas sem presença, pode parecer-lhe alguém que só está interessado em exibir-se. Nenhum dos extremos é óptimo, como na maioria das coisas.

Na realidade, quando se cultiva o carisma, a arte da presença mostra a coisa mais importante a recordar: não se trata de si.

A verdade da questão é que gostamos de nós próprios e gostamos de falar de nós próprios. No entanto, deixe que as pessoas que encontra agradáveis e carismáticas na sua vida o encorajem a ser você mesmo e o deixem falar de si mesmo. Seja positivo, feche o seu ego, e preste toda a atenção. Na verdade, é assim tão fácil.

Preste atenção a cada palavra que saia da boca de outra pessoa. Imagine ver um filme ou ler um livro, e aprende lentamente sobre a personagem principal. Invista a sua atenção e a sua energia neles. O mais importante, quando eles falam, não se sente aí e se preocupe com o que vai dizer. Pode parecer algo proactivo a fazer, mas apenas mostra que não está realmente a ouvir, está apenas a preparar-se para responder.

Também deve ser óbvio, mas desfaz literalmente toda a responsabilidade que acumulou ao retirar o seu telefone a meio da conversação. Nada mostra que não ouve uma “nota rápida” ou rolar através do Instagram, como despedir-se.

É claro que há um equilíbrio. Durante todo o dia e toda a noite, não se pode simplesmente sentar e ouvir as pessoas. É também vital saber comunicar e expressar-se aos outros de uma forma confiante.

Estabelecer um sentido de confiança

Quando se está a tornar mais carismático, ter fé dar-lhe-á um grande apoio, mas não é fácil de desenvolver.

Não queres ser ousado, mas também não queres sair com medo ou tímido. Tudo se resume a como se sente na sua própria pele.

Ajudá-lo-á a criar e manter a confiança, trabalhando consistentemente, vestindo roupas que o façam sentir-se confortável, e falando sobre as coisas que compreende bem.

No entanto, não se deve falar apenas do que se sabe. Deve estar aberto aos outros e provar que, apesar de estar seguro, também está curioso.

Quando ficamos presos num debate sobre algo de que nada sabemos, a maioria de nós fica presa, e instantaneamente, estamos à procura de formas de nos protegermos em vez de estarmos bem com a nossa ignorância.

Se passarmos do “modo defensivo” para o “modo curioso”, o facto de não sabermos de nada pode fazer-nos sentir seguros. Para além disso, toda a presença substancial é preservada pela curiosidade.

Na sua cabeça, não está a flutuar a tentar encontrar soluções, está visivelmente empenhado na conversa.

Viver com propósito

As pessoas de fé e carisma também vivem com intenção. Quando não parece ter um objectivo ou força motriz, é óbvio.

Não é preciso usar o amor na manga, mas é preciso ter confiança para fazer algo quanto à noção de que se está vivo.

Talvez não saiba realmente para onde vai o tempo todo, mas deve parecer que sabe.

Aja como se soubesse as suas falas quando uma cena se desenrola. Todos nós temos aqueles momentos em que fazemos algo e dizemos “isso foi estúpido” para nós próprios. Esqueça esses momentos. A sua conduta muda claramente quando tem esses momentos e demora mesmo uma fracção de segundo a pensar nisso. Falhas e isso pode ser notado pelas pessoas.

A confiança, independentemente do que isso implique, é estar à vontade com o que se faz e com quem se é.

As pessoas gostam de pessoas que são optimistas, mesmo que os seus outros atributos sejam menos apelativos. Ser carismático, se se pode ter a certeza, é um salto, um salto e um salto de distância.

Conquer the basics of conversation

Os indivíduos carismáticos sabem como comunicar com outras pessoas. Sabem como iniciar uma conversa, conduzi-la na direcção certa, e fazer os outros sentirem-se à vontade.

É preciso praticar se não se souber falar com indivíduos ao nível mais básico. Será difícil, mas será muito satisfatório se conseguir ser corajoso e afastar-se da mentalidade da flor de parede. No início, será doloroso, mas ser embaraçoso é como se melhora.

Fique imaginativo se não souber como iniciar uma conversa. A seguir, pense sobre o que gostaria de falar e sobre o que não gostaria de falar. Provavelmente, faria com que se sentissem embaraçados se houvesse algo que o fizesse sentir desconfortável.

Praticar o contacto efectivo com os olhos

Um forte contacto visual também pode expressar melhor do que as palavras. O contacto visual adequado mostrará que está a ouvir, que se importa, e que, como indivíduo, considera a outra pessoa.

Olhar para baixo ou mover continuamente os seus olhos revela que não está interessado e que noutro lugar reside a sua atenção.

No entanto, pode ser complicado praticar o contacto visual. Demasiado pode ser desinteressante, mas muito pouco pode ser, também. Para encontrar o número certo, terá de experimentar.

Seja expressivo com o seu corpo

As pessoas carismáticas expressam o que sentem de muitas maneiras diferentes.

Usar o seu corpo para enfatizar e melhorar o que sente ou aquilo de que fala pode ir muito longe. Ninguém pensa que alguém que se mantém rígido como uma tábua é magnético ou interessante.

Acima de tudo, lembrem-se de sorrir. As pessoas sorridentes são mais acessíveis e mais simpáticas do que alguém que parece zangado ou desinteressado.

Se não tiver a certeza de onde começar com a expressão física, Sims Wyeth at Inc. recomenda que pense nas pessoas – ou animais de estimação – que conhece e repara na sua fisicalidade:

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O que é a doença do beijo (Mononucleose)

O que é a doença do beijo (Mononucleose)

Ficha

Quem descobriu a eletricidade?